segunda-feira, setembro 08, 2008

sério: O(s) GRITO(s) Nº 17 - Poema de 1 Escravo. poem of a slave

. j.a.m. /técnica-mista .


Cem Título(s)

"eterna vigilância é o preço da Liberdade"
T.J.

recadinho: "a quem me espreitas desses lados onde?..."

(d. n. : 13 de Maio !)

quarta-feira, setembro 03, 2008

series: Tips (série: Dikas)


"Como reagir perante pessoas antipáticas ou que nos odeiam?

A resposta fundamental a esse problema frequente é usarmos o antagonismo de que somos vítimas como uma ocasião oportuna para voltarmos a nossa atenção para Dentro do nosso corpo. Dessa forma, estaremos a elevar-nos acima da situação, não nos atormentando com as forças hostis que são lançadas contra nós.

Essa calma que precisamos urgentemente de conhecer não é de forma alguma semelhante à tensão a que nos submetemos para não reagir.

Essa calma é um aspecto muito agradável da nossa essência inata."


(texto adaptado. G.G.)


....................................................................................

"How to stay ahead of people antipáticas or that we hate?

The answer to this fundamental problem is frequent use of the antagonism that we are victims as a timely occasion for us interiorizarmos, that is, to return our attention to within our body. Thus, we are bringing us above the situation, leaving in torment because of hostile forces that are launched against us.

So we started to bear the unpleasant things, to see them as tests, which the Cosmo sends us with some frequency, to learn to enlarge the internally, keeping the calm in any circumstance.

That calm knowing that we need urgently is not in any way similar to the tension that we have surrendered to not react.

Indeed, this calm is a very pleasant essence of our innate."


(text adapted. G.G.)





terça-feira, setembro 02, 2008

Oswaldo Montenegro (VAMOS CELEBRAR !)

Kom Ke Então 1 Chip, para TODOS? (será de borla, ou)

O nosso Sr. Presidente Aníbal Cacaco Silva, presidente
de
TODOS
os portugueses,
promulgou a Lei que autoriza a
INSTALAÇÃO
de chips electrónicos nas matrículas dos automóveis.
E pronto. Teve esse direito. Concerteza
&
cem kuaisquer dúvidas.

- Obviamente, eu estava à espera que me tivessem pedido a minha opinião, como cidadão automobilista, quando calha. Creio, até que o fizeram via email, o que é habitual nos dias que corrrrem, enquanto estive de férias (aí desligo-me destas máquinas e de todas as outras) e então assim tenho de admitir a minha gravosa falta na situação em causa, desde já assumida e com as dividas deskulpas aos portugueses automobilistas, que me perdoem, p.f.

Série: O(s) GRITO(s) Nº 17 - O PATARATA Kontraditório

MAS esta "coisa" faz-me LEMBRAR o quê?



Ali & aqui & além lá andam "eles" na louca faina
dos egos contra os egos
e
o epicentro daquilo é apenas "isto":
DINHEIRO
Prestígios & Famas.
(...)

segunda-feira, setembro 01, 2008

plus rien ne m'étonne - tiken jah fakoly -


hoje acordei bem comigo & a vida

hoje levantei-me bem comigo & a vida, comi manga e cana de açucar que o meu quintal me ofereceu com um sorriso de sol já esclarecido nas coisas da vida . Também bebo água logo nas aberturas do dia e é água fresca e muito leve aqui do meu lugar que vem dos lados do convento de São Francisco, do séc. 16 ou 17, qual a diferença?
Nesta varanda virada para a Sidádi Vêlha, com o mar ao fundo de onde me acolhem imagens & imagens sem fim e um barulho de ondas fortemente brancas contra as pedras negras da praia, onde todos os dias - graças a dEUS - me banho até ver o círculo cheio de luz e cores e vice-versos e tudo aquilo a tombar "docement" até + não , porque já é demasiado para um ser humano só e são horas de ir jantar.
Acabei agora de regar as minhas plantas, saudar as flores que me ajudam tácitamente a ser feliz, tocar ao de leve as folhas da palmeira aqui ao lado, são pequenos gestos aparentemente distraídos entre pessoas que já são amigas.
A minha amiga borboleta, que me visitou logo no 1º dia, volta todos os santos dias, enquanto estou acordar-me nestas pequenas tarefas. Ontem, ou 1 dia destes, veio poisar na minha mão esquerda, mas só ao fim do coração da manga bem chupada, pois para quem nunca esteve nestas bandas africanas, talvez ainda não saiba que as mangas não se comem propriamente, depois das primeiras dentadas na casca esverdeada, chupam-se demoradamente até à última gota de sumo cor da respectiva manga.
Ah! eu e a minha amiga borboleta, 2 pétalas brancas, uma de cada lado, onde pontuam vários círculos negros distribuidos à toa, falámos abertamente dentro dos nossos silêncios amadurecidos. Depois disse-me que ia vadiar pela mata estar com outros amigos e foi-se, feliz desclaradamente, remando as suas muitas asas frágeis ao sabor das curvas da aragem e, pronto,,,,,,,
Voltei ajustar a tanga à cintura (um dia destes tenho que arranjar uma tanga a sério, talvez de pano de terra, logo se vê), incendiei 1 cigarro, pernas desleichadamente entregues à varanda que até é azul , costas contra o mundo dos "makakóides" e quejantes...
Mar e mar,
há ir & regressar.

(Sidáde Vêlha. Cabo Verde. Agosto.2008)

domingo, agosto 31, 2008


(j.a.m.)

o quadro de Alita

estou no restaurante de Alita, já comi qualquer coisa e agora palitando-me com um fósforo descascado, olho, + uma vez para aquele quadro à minha frentre.
à 1ª vista armada (os hábitos, claro)
é uma pintura "naif", académica, esses rótulos que nos deixam satisfatóriamente adormecidos, mais uma vez.
Mas, olhando Mais,,, e, apurando o ofício dos 2 olhos com o respectivo pensamento o mais possível lúcido, tudo bem mais junto, é outra coisa, que é maior.
A técnica, nesta onda, cumpre bem a sua função.
Não me apetece descrevê-lo porque imagem fica sempre ainda mais longe quando há o negócio de palavras pelo meio.
ConTem beleza!
No primeiro plano, a zona mais colorida são N flores diferentes, azuis vários, cor-de-laranjas, rosas, amarelos, claro! por aí a fora, até ás florzinhas minúsculas brancas que levam-me a memória aos malmequeres-bem-me-queres.
Há umas árvores que não dão sombra que eu enxergue. Do lado esquerdo da obra, 3 troncos, com o mesmo lado prolongado em ramos sem + nada. dos seus lados direitos, os ramos alongam-se numa folhagem acastanhada e amarelada longe do verde que mui possivelmente já por lá passou.
Há do outro lado do quadro a provocar uma incerta simetria ocidental, uma quase árvore, ainda a tentar sê-lo, já com folhagem assim destas cores quando aparecem tenras nos primeiros dias.
Todo este jardim descontraído e plantado pela Natureza cerca um banco de madeira acho que é de mogno talvez sucupira ou, que está mesmo só. Ou talvez não, pois encontra-se magestosamente aberto e a olhar lá para um fundo onde aparece uma casa estranha, diferente. longa para os lados, com uma torre pelo seu meio, + ou -, e a zona que suspeito ser maior tem uma porta de um azul sonolento em si, mal se dá por este silêncio estar ali mesmo.
Depois,,, levanta-se um céu longe l o n g e. Do seu pressuposto centro longínquamente eterno, vem à tona do meu olhar, uma luz que se vai abrindo em círculos e em + círculos expansivamente discretos mas eficazes, que não se separam nunca e tudo acaba numa claridade mornamente doce, que já está dentro de mim.
- Sidáde Vêlha. agosto -2008 -

quinta-feira, agosto 28, 2008

Percy Sledge (When A Man Loves A Woman)

e a in da

Otis Redding - (I've been loving you...)

Série: O MAKAKÓIDE ( Nº 2)


(Gaia-ciência-28 de agosto de 2008)

quarta-feira, agosto 27, 2008

A Alegria, as Brincadeiras, o Prazer do Estar mesmo,a música do bar lá no Alto, o Gosto do olhar & Ver mesmo, o mar ali, eteceteramente

Tarrafal (C.V.) - ?

p.s. dedicado à minha filhota.

volto à ciência do ouro, dessa muita luz resumida

Volto à ciência do ouro dessa muita luz resumida
em quanto tempo demorou a demorar-se lá?
e por lá fikou e ficou
até as mãos dos homens a terem gananciado
lá do fundo das gargantas fechadas
da nossa Mãe Terra.
Graças a deus
que ainda há ouro que cresce
sózinho e lento & resgurdado dos makakóides desalmados
e do vento que só leva o pó das coisas
pelos canais suplicantes da Terra
onde tudo é sempre tudo
e assim será sempre
Graças a deus
é esta a Beleza da vida
enquanto estamos mesmo vivos
apesar dos que não estão
e desse peso pesadíssimo da cruz
das suas estuporadas mortes por cumprir
Graças a deus
há a luz do nosso irmão Sol
da nossa irmâ Lua
dos nossos amigos galácticos
(que vão e vêm por enquanto
só nos espreitam, são tãotanto
paciêntes, Oh sessão
ainda adiada)
E depois, alongando esta visão
direi também os Universos onde ainda
ninguém lá chega, por + que
esta Grandiosa coisa tão Coisa Coisíssima
só para falar dizendo simples
apenas as nossas aparências.

(agosto de 2008)

Tanta Caretada!


Técnica:
scan de escultura de pedra da praia do Tarrafal (C.V.)
+ tinta de caneta
+ lápis de cor vermelha
+ duas mãos
+ 2 olhos
+ criatividade sem clientes.

o espanto. Sempre

imagem criada a partir de scan de escultura.j.a.m. - Agosto-2008

terça-feira, agosto 26, 2008

A ESCRAVATURA PERMANECE!(branco escraviza branco,branco escraviza negro,negro escraviza negro,negro escraviza branco,amarelo escraviza amarelo,azul es


SIDÁDI VÊLHA (Património da Humanidade)

Cidade Velha (Cabo Verde, Ilha de Santiago)
Candidata a Património da Humanidade.
O seu povo, Merece.

Até quando - Gabriel

eles têm(?) olhos mas não Ouvem, têm (?) ouvidos mas não Vêem, nâo lhes perdoai sr.

Duas caravelas. Uma na retaguarda, pôe-te de guarda. A Outra: Aproxima-se

Paço d arcos (lisboa)

simples p e n s a m e n t o

"Nem sempre podemos mudar as circunstâncias
mas sempre podemos mudar
as nossas atitudes em relação a elas."

mulher-árvore ou árvore-mulher c/ boné azul

Cabo Verde, São Vicente - Mindelo

Antonio variações -o corpo é que paga)

1 abraço, ainda pró António.
e mais uma vez, Amigo, akele abraço.

do

josé alberto mar

segunda-feira, agosto 25, 2008

greetings.from.portugal

marinheiro, marinheiro quem te ensinou a nadar
foi, foi, foi o peixinho do mar

série: recados (p.f.)

j.a.m.-2008

A primeira necessidade é a descoberta interior, para se saber

o que há de verdadeiro atrás das aparências

sociais, morais, culturais, raciais e hereditárias.

Lá no centro há um ser livre, vasto, conhecedor e que se oferece

à nossa descoberta

e

que deve tornar-se o centro agente do nosso Ser,

da nossa Vida.

( Mira Alfassa, “A Mãe”)


Lou Reed (A Walk On The Wild Side)

alguém vai alguém vem

Sidádi Vêlha, santiago, cabo verde.( o adeus à noite clara)

Ainda já procuro sentado

Procuro sentado aquela mulher
com um simples coração de ouro e corpo de santa ou anjo
ou mulher, com corpo de carne e curvas mansas
tocada pelo dedo dos deuses
e das suas mais íntimas magias
com muitas viagens pelas vidas antes.
Eu sei, com todo o meu ser que ela também
me procura e espera sentada
algures
e
nenhum já sabemos do outro
e
ambos queremos confirmar que há
como ambos sabemos que Há mesmo
a verdadeira & única & basta Vida
igual a esse AMOR.
(2008)

Amor de rapariga

a música da esfera azul (the music of the sphere blue)

j.a.m.

em plena luz dos galos da noite enquanto falam

e então é quase
lua cheia quase
a rebentar o que já vem de trás
quase, é sempre quase

caminhando para aquele que já sabe
o que procura
e então estamos Aí, companheiros de viajem
só ke, aí a "coisa" é tão longe ainda
por causa das encruzilhadas dos mascarados sem rosto
por causa daqueles que nos fodem
em todos os lugares de deus
por causa daqueles que não
são gente mesmo Gente, ainda
como nós já somos e com muito esforço
continuamos, não perdemos o sonho natural
que nos arrebata e enlaça
à Vida, a esta Casa azul
a este montão de gente que
só quer ser feliz
como eu já sou ?
(e não explico).


Meu deus, deixa vir mais raios de luz

solta-nos um pouco + o nosso irmão sol
pois este mundo está tão perturbado & triste
que eu já não tenho olhos para enxergar agora
a simples beleza desta noite, quase
tão quase iluminada pela L.C. que já está
a caminhar

para aqui.



in full view of the cock of the night while talking

and then it's almost almost full moon the bursting of what has come back almost, is almost always walking for those who already know what demand and then we There, brothers only ke, the "thing" is so far still crossroads because of the cold masks because those in fodem in all places of God because those who do not People are even people, yet as we are now and with much effort still, not lose the dream natural that sweeps in and wraps to Life, to this house blue the people of this montão just want to be happy as I am already? (not explain). My god, brings more rays of light, loose more our brother sun because this world is so disturbed & sad I will not have eyes to see the simple beauty of this evening, almost almost as illuminated by L.C. is already walking here



Tribes of the Motherland

Ei, Branco racista: AGUENTA AS VISTA ATÉ AO FIM.

(Quanto às Estéticas, por hoje estamos falados)

Aos Makakóides Intelectuais

Sol dourado
tão dourado que lembra chama
e o que é chama chega a parecer fogo
mas não é, não! meu irmão, Cabrão, Não é.
O sol é outra coisa
que a gente não vê mesmo
luz intensa de vida maior,
e eu sei que sou só sombra
pikena, piquena, pequena
dessa ideia que você está a ler
e aí, eu até já sou:
nada.
(algures em C.V..4.08.08)

.................................................................................................


The intellectuals "makakóides"

Golden Sun

so reminiscent golden flame

and what is called the opinion arrives fire

but it is not! my brother, Cabrão, is Not.

The sun is another thing

that people do not even see

light of increased life

and I know that I am only shade

"pikena", "piquena", small

idea that you are reading and then,

until I am already:

nothing.

(Cabo Verde - somewhere.2008)

Surfando pelos dias & pelas noites

(Imagem para os meus 3 compinchas de mesa, ontem, no Alto tasco do nosso amigo Castro)

domingo, agosto 24, 2008

à Grande Força da Mulher de Cabo Verde

- Imagem criativa, realizada com base num quadro que se encontra no museu da cidade da Praia.
O artista que me perdoe, mas lá, vi seu nome, não apontei e esqueci.-

Mercado de Sucupira

8 horas e tal, as mãos cheias de moscas ou só às vezes e uma delas....Zás....apanhei-te......
e então, depois de uma caxupa num prato redondo mesmo, dentro de uma antiga camionete, transformada em "restaurante", estou numa mesa à porta da dita a colher imagens da gente que vende coisas, que compra algumas dessas coisas e da gente que passa de um lado para o outro e vão abrindo naturalmente o ar que se lhes depara.
No geral, "a coisa está preta".Depois, levanta-se nas cores das roupas. Dá-me a impressão, ainda sugeita a posterior confirmação, que é o vermelho o eleito.Impõe-se só por si é evidente, mas também é muito abusado. A seguir, há os amarelos e os verdes de N tons. O verde-alface é considerado por aqui. (mais depois, claro que há as outras cores, incluindo o branco que não é cor mas para este presente visual contrasta muito bem).
Uma jovem mulher expõe exactamente verticalmente uma garrafa de água com o aspecto de estar bem fresca e espera alguém que a leve.Tem uma bunda maravilhosa e sei lá porque é que olhei para este caso.
Alguém transporta carne de um animal já muito morto numa bacia de plástico cor-de-laranja em cima da cabeça, mas o que eu vejo com estes dois olhos que a terra há-de comer, é uma chusma de moscas enlouquecidas com o manjar. Irão pesar as moscas também, aquando do negócio? Ou, serão o brinde, concerteza.
Lá ao longe o céu está assim-assim, sei lá o que vai fôr e já transpiro bastante.
Passa por aqui uma menina "pineirinha", retocando os cabelos e a treinar o gingar das ancas que ainda se estão abrir às sementes que um dia virão, e lá vai ela muito compenetrada do seu papel à espera de ser amada quando acontecer e será pra breve, vê-se.
Ali vai um "preto" de rádio aos berros na mão esquerda junto ao ouvido do mesmo lado, e é música que não tenho tempo de saber, mas com aquele ar tão feliz, é boa música de certeza.
Ainda as eternas mangas ao lado sempre as bananas juntas ao kilo, a evidente e muito dura realidade da sobrevivência.
E são as Mulheres que erguem - sempre rodeadas de pinhas de filhos - toda esta trabalheira. Cumprem-na devotadas, depois desenlaçam-se e ao fim da noite encostam ao de leve a cabeça a uma esperança que nunca entendi, mas senti, e ficam assim à espera do que será meu deus? O papel dos homens por estas bandas, eu ainda não estudei bem nem mal o assunto, mas parece-me que é esporradicamente atirarem-se a elas que nem machos com cio e depois bazarem logo na primeira curva para as sombras do grogue ou de outras sombras quaiquer alinhadas na preguiça ou desenrrascarem mais um poiso temporário qualquer por onde vão cumprindo os seus profundos ofícios de vagabundos marinheiros.
Estas Mulheres são as raízes destas 10 ilhas - o resto é mar, mar e mais mar e depois, ainda o mar.
(...)
-Cabo Verde.Praia. Algures em agosto de2008-

rolling stone (angie)

!























e-mail

Subject: FW:
Discurso
do Ministro Brasileiro da Educação
nos
Estados UNIdos da AMÉRICA


(CENSURADO!)

Discurso do Ministro Brasileiro da Educação nos EUA... Este discurso merece ser lido, afinal não é todos os dias que um brasileiro dá um 'baile' educadíssimo aos Americanos... Durante um debate numa universidade dos Estados Unidos o actual Ministro da Educação CRISTOVAM BUARQUE foi questionado sobre o que pensava da internacionalização da Amazónia (ideia que surge com alguma insistência nalguns sectores da sociedade americana e que muito incomoda os brasileiros). Um jovem americano fez a pergunta dizendo que esperava a resposta de um Humanista e não de um Brasileiro. Esta foi a resposta de Cristovam Buarque :
'De fato, como brasileiro eu simplesmente falaria contra a internacionalização da Amazónia. Por mais que nossos governos não tenham o devido cuidado com esse património, ele é nosso. Como humanista, sentindo o risco da degradação ambiental que sofre a Amazónia, posso imaginar a sua internacionalização, como também a de tudo o mais que tem importância para a humanidade. Se a Amazónia, sob uma ética humanista, deve ser internacionalizada, internacionalizemos também as reservas de petróleo do mundo inteiro... O petróleo é tão importante para o bem-estar da humanidade quanto a Amazónia para o nosso futuro. Apesar disso, os donos das reservas sentem-se no direito de aumentar ou diminuir a extracção de petróleo e subir ou não seu preço. Da mesma forma, o capital financeiro dos países ricos deveria ser internacionalizado. Se a Amazónia é uma reserva para todos os seres humanos, ela não pode ser queimada pela vontade de um dono ou de um país. Queimar a Amazónia é tão grave quanto o desemprego provocado pelas decisões arbitrárias dos especuladores globais. Não podemos deixar que as reservas financeiras sirvam para queimar países inteiros na volúpia da especulação. Antes mesmo da Amazónia, eu gostaria de ver a internacionalização de todos os grandes museus do mundo. O Louvre não deve pertencer apenas à França. Cada museu do mundo é guardião das mais belas peças produzidas pelo génio humano. Não se pode deixar esse património cultural, como o património natural Amazónico, seja manipulado e destruído pelo gosto de um proprietário ou de um país. Não faz muito tempo, um milionário japonês, decidiu enterrar com ele, um quadro de um grande mestre. Antes disso, aquele quadro deveria ter sido internacionalizado. Durante este encontro, as Nações Unidas estão realizando o Fórum do Milénio, mas alguns presidentes de países tiveram dificuldades em comparecer por constrangimentos na fronteira dos EUA. Por isso, eu acho que Nova York, como sede das Nações Unidas, deve ser internacionalizada. Pelo menos Manhattan deveria pertencer a toda a humanidade. Assim como Paris, Veneza, Roma, Londres, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, cada cidade, com sua beleza específica, sua história do mundo, deveria pertencer ao mundo inteiro. Se os EUA querem internacionalizar a Amazónia, pelo risco de deixá-la nas mãos de brasileiros, internacionalizemos também todos os arsenais nucleares dos EUA. Até porque eles já demonstraram que são capazes de usar essas armas, provocando uma destruição milhares de vezes maior do que as lamentáveis queimadas feitas nas florestas do Brasil. Nos seus debates, os actuais candidatos à presidência dos EUA têm defendido a ideia de internacionalizar as reservas florestais do mundo em troca da dívida. Comecemos usando essa dívida para garantir que cada criança do Mundo tenha possibilidade de COMER e de ir à escola. Internacionalizemos as crianças tratando-as, todas elas, não importando o país onde nasceram, como património que merece cuidados do mundo inteiro. Ainda mais do que merece a Amazónia. Quando os dirigentes tratarem as crianças pobres do mundo como um património da Humanidade, eles não deixarão que elas trabalhem quando deveriam estudar, que morram quando deveriam viver. Como humanista, aceito defender a internacionalização do mundo. Mas, enquanto o mundo me tratar como brasileiro, lutarei para que a Amazónia seja nossa. Só nossa! '
ESTE DISCURSO NÃO FOI PUBLICADO.
AJUDE-NOS A DIVULGÁ-LO porque é N importante
(NÃO AXAS? ENTÃO ACHAS OU NÃO AXAS? ENTÃO? ACHA MESMO, O.K.?)
e
porque foi CENSURADO pelo governo Americano!!!

............................................................................

Rede Brasilianische Minister für Bildung in Unidos Staaten von Amerika

"(CENSURADO!)"

Rede von brasilianischen Minister für Bildung in den USA ... Diese Rede verdient zu lesen, nachdem alle ist nicht jeden Tag, dass eine brasilianische gibt einen "Tanz" educadíssimo die Amerikaner ... Während einer Debatte an einer Universität in den Vereinigten Staaten die aktuellen Bildungsminister Cristovam Buarque gefragt wurde, was er dachte, der Internationalisierung des Amazonas (Idee kommt, dass mit einigen Beharren in einigen Sektoren der amerikanischen Gesellschaft und dass die meisten stört die Brasilianer). Ein amerikanisches Ehepaar die Frage gestellt, sagte er erwartet, dass die Reaktion eines humanistischen und nicht eine brasilianische. Dies war die Reaktion der Cristovam Buarque: "In der Tat, wie ich einfach brasilianischen falaria gegen Internationalisierung des Amazonas. Seit mehr als unsere Regierungen nicht über die richtige Pflege unseres Erbes, und es ist unsere. Als Humanist, sensing die Gefahr von Umweltschäden, die Auswirkungen der Amazonas, Ich kann mir vorstellen, seine Internationalisierung, sondern auch über alles andere, was ist wichtig für die Menschheit. Wenn dem Amazonas, in einer humanistischen Ethik, sollte internationalisiert, internacionalizemos auch die Ölreserven auf der ganzen Welt ... Öl ist so wichtig für das Wohlergehen der Menschheit wie dem Amazonas für unsere Zukunft. Dennoch ist der Eigentümer des behält sich das Recht haben, zu erhöhen oder verringern Sie die Gewinnung von Öl und seinen Preis steigt oder nicht. Auch das Finanzkapital der reichen Länder sollten internationalisiert. Wenn der Amazonas ist eine Reserve für alle Menschen, kann es nicht gebrannt werden durch den Willen eines Eigentümers oder eines Landes. Brennen Sie die Amazonas ist so ernst wie Arbeitslosigkeit, die durch die willkürliche Entscheidungen der globalen Spekulanten. Wir können nicht über die finanziellen Reserven dienen zu brennen ganze Länder in der Lust der Spekulation. Schon vor dem Amazonas, würde ich es begrüßen, wenn die Internationalisierung aller großen Museen der Welt. Der Louvre gehört nicht nur zu Frankreich. Jedes Museum ist das weltweit Hüterin der schönsten Teile von der menschlichen Genies. Sie können nicht verlassen, dieses kulturelle Erbe, wie natürliche Erbe Amazónico, manipuliert werden und zerstört durch den Geschmack des Eigentümers oder eines Landes. Es ist nicht viel Zeit, ein japanischer Millionär, hat beschlossen, ihn zu beerdigen, ein Teil eines großen Meisters. Davor, im Rahmen hätte internationalisiert. Während dieser Sitzung haben die Vereinten Nationen tun, die Millenniums-Forum, aber einige Präsidenten von Ländern hatten Schwierigkeiten zu kommen, von Zwängen in der US-Grenze. Daher denke ich, New York, als Amtssitz der Vereinten Nationen sollte internationalisiert. Zumindest sollte Manhattan gehören der ganzen Menschheit. Wie Paris, Venedig, Rom, London, Rio de Janeiro, Brasilia, Recife, jede Stadt, mit seiner besonderen Schönheit, seine Geschichte der Welt, angehören sollten in die ganze Welt. Wenn die USA wollen Internationalisierung Amazonien, in Gefahr zu verlassen ihn in den Händen der Brasilianer, internacionalizemos auch alle US-Nukleararsenale. Bis denn sie haben bereits bewiesen, sie in der Lage sind, mit solchen Waffen, was zu einer Zerstörung von Tausenden mal größer als die unglückliche Brennen in den Wäldern von Brasilien. In ihren Diskussionen, die derzeitigen Kandidaten für die Präsidentschaft der Vereinigten Staaten hat sich für die Idee der Internationalisierung der Wald Reserven in der Welt im Austausch für den Schuldenabbau. Beginnen wir mit dieser Schulden, um sicherzustellen, dass jedes Kind die Möglichkeit hat, EAT und Welt zur Schule gehen. Internacionalizemos Kindern Behandlung von ihnen, alle von ihnen, egal, das Land, in dem sie geboren wurden, als das Erbe verdient Betreuung weltweit. Noch mehr als verdient den Amazonas. Wenn der Führer schlechte Behandlung von Kindern der Welt als ein Erbe der Menschheit, werden sie halten, wenn sie arbeiten sollten Studie, sterben, wenn sie leben sollen. Als Humanist, zu verteidigen, die Internationalisierung der Welt. Doch während die Welt behandeln mich wie Brasilien, Kampf für den Amazonas ist unsere. Nur unsrige! ' Diese Rede wurde nicht veröffentlicht.

HILFE U. S. DIVULGÁ Die N-LO, weil es wichtig ist,

" (NICHT AXAS? ACHAS oder nicht so AXAS? SO? ACHA SELBST, ok?)"

und "CENSURADO" war, weil die amerikanische Regierung!

sábado, agosto 23, 2008

Falamansa (Xote da ALEGRIA)

recado(s)


“Perguntaram a Sócrates se
era melhor casar-se ou não,
e ele respondeu:
‘Qualquer que seja a sua decisão, irá arrepender-se’”.
(Diógenes Laércio)
"Aproximamo-nos do outro
levando cargas do passado e expectativas para o futuro
e assim armados
tentamos impor regras à relação amorosa.
O Amor ri-se
das nossas manipulações, pois só respira em campo aberto e livre."
( extraído do Lições de Amor.)

O Dinossauro pousado ali com a Cabeça a Sonhar o mar à sua frente a Todos os momentos ESTÁ Caído em Si.




- Tarrafal.2008 -

“O amor é o mágico, o feiticeiro que transforma
as coisas sem valor em alegria e que cria
nobres reis a partir da argila comum”.
(Robert G. Ingersoll)

e para lavar minha alma levanto meu voooooooo


Caroço de Fruto Verde é Mesmo

alguém azucrinou a minha noite e depois eu já não era eu não estava lá. Coisas da vida: a gente experimenta , mais uma vez, o pulso humano do que existe no Mundo, para posterior confirmação do que já sabemos, ou para aceitarmos de bom grado uma surpresa que seja leve e agradável, estamos com o coração nas mãos,ali, para o que der ou vier e perante tanta oferta aparece akele alguém, de repente, com ar sacanóide e vazio por dentro apenas, e rouba-nos "akilo" das nossas desprotegidas mãos agora desamparadas de todo e com o nada nos entretantos e ainda por cima diz-nos com um ar desabridamente descarado: "Agora é meu!".
Ficamos metafóricamente com a boca aberta, o espanto da estranheza da inocência feita bruma, faz de nós uns asnos e depois como é?
A gente quer agarrar o que nos foi dado ou emprestado naturalmente pela Natureza do que é a Vida, e a Gente dá bem a entender ao outro alguém que "akilo" é mesmo só nosso por dádiva de deus, Mas
e se o outro faz ouvidos de mercador
não "escuta" mesmo e sorri e ainda ri
(com aquele ar que só o Demónio sabe
pela escuridão que o determina
- Meu deus, porque Tudo Tem de Ser Assim?)
e Akele coração é, apenas, o nosso coração
e foi parar às mãos de 1 makakóide avariado de todo
e ele, ainda por cima & por baixo, pensará que é seu?
U que é que a Gente pode fazer?


Uma noite estragada até ao fim
um desvio descentrado na Grandiosa Viagem
e a Gente pensa como o tempo é tão precioso
enquanto "akeles" não pensam Ainda, Nada pensam
e são Infelizes, Intranquilos, até dizer XEGA!, Koitados

mas a Gente não tem qualquer culpa
(ou teremos alguma, meu deus?)
e a Gente aguenta até ao fim
sem armar as guerras ke o ke eles kerem é só guerrear
provocar estalidos nas relações, mísseis e
minas disfarçadas em veludo, contra as
nossas paredes calmas , sossegadas e distantes
de tudo o que não seja paz e amor e amizade e momentos bons & simples
só para espalharem as suas escuridões
já de si tão malvadas & escuras como o bréu
sem nada Lá por dentro, apenas:
amarguras mal trituradas e distração, distração i distração i distração
por esta presente e actualíssima VIDA que já vive em Tudo
à espera de ser Mesmo habitada por TODOS.
É isto que acontece a quem ousa ter 1 coração
desmuralhado, a quém é inocente e simples
até à real idade da dor de Ser
Humano, até à paixão da cor do sangue
unânime nas 4 ou 40.000 raças da TERRA.

e as lágrimas que agora semeio ou planto
neste planeta ainda tão obscuro e vil
Um dia, serão árvores abrirem
um pouko essa tresloucada escuridão
com flores brancamente acesas
até ao fundo solar de quem as Vê.


Já muitos outros, tantos, tantos, Oh tantos! meus irmãos
o fizeram e continuam continuam continuam a
fazer e eu também sei um pouco essa LUZ,
que não teve início e nunca terá fim algum
pois há-de ser até ao "final" dos tempos
uma aparente quimera bem acordada dentro da Alegria
de Estar Vivo e Viver assim.


(5 H. 6 m. 23-Augustus-08)

sexta-feira, agosto 22, 2008

FLASH

- Tarrafal.2008-

O Touro Negro (Ou, o livro: Ina - A violação do Sagrado)

(Desenho de j.a.m. - Portugal.Anos 80 ?)

Meu Amigo Mhário Lincoln, jornalista, escritor e outros eteceteras bem humanos, está a iniciar uma viagem pelos caminhos do seu Brasil, a fim de relançar o também seu Livro,"INA - A VIOLAÇÃO DO SAGRADO".
Ina, filha de D. Sebastião herdou dos árabes, após Álcacer-Quibir, um espaço brasileiro(onde se encontra o Porto de Iraqui) para fundar o seu Império submerso.
(...) Na Costa de Cururupu, na Ilha dos Lençóis, D. Sebastião aparece (para quem o vê) em noites de lua cheia, na figura de um Touro negro, com uma estrela Branca no centro da testa, estrela iluminante que Deseja incendiar a escuridão deste Mundo assim.
- Trata-se de um Livro que é uma pérola. À mão de semear.
Amigos brasileiros e os outros também: colham esta preciosa pedra, recolham-se onde se sentirem mais, e abram os 2 olhos que têm por fora e , por dentro:
Abram ainda mais todos os olhos que se poderem abrir.
(Bom Abraço M.L.)
23-08-2008

Avec Le Temp


Assim como as pedras preciosas são polidas pelo atrito
as provações podem tornar
os seres humanos mais brilhantes.
(Tradição chinesa)

Viragem (é Preciso)











O Aviso - Da Série: O(s) GRITO(s) Nº 16


Estava eu, no meu canto sossegado, sem chatear o preto e vice-verso, quando a minha vizinha me acordou pra fora deste delicioso enlevo criativo, com um frenético toque de campaiiiiinha que, enfim. Depois fiquei desarmado, mas com uma revista nas mãos que se tinha perdido por entre as caixas de correio eteceteramente.
Bom, agradeci o favor, que óbviamente não foi favor nenhum mas um gradecíssimo "corte" e por reconhecimento, educação ou qualquer outra razão que agora não me apetece escrever, abri a dita revista, que não tinha muitas folhas mas parecia Grande devido à generosa espessura das folhas, e, e caí logo na pág. 16. O 16? Como sou adepto fervoroso até incerto ponto, das numerologias, fiz automáticamente as contas que nem um bom makakóide e zás aí está o tal 7, o número mágico por excelência nesta civilização onde deus me faz andar, e pus-me logo-imediatamente a pensar onde poderia encontrar a tal magia. Então
comecei pelo título da pág:"desporto, saúde & bem-estar". Quando cheguei ao "bem-estar", fiquei um pouco aliviado mas logo simultâniamente intrigado, pois havia muita matéria junta que transbordava um-não-sei-quê de título para encher as medidas de quem tem a intenção subrrrreptícia de convencer alguéns de algo que só tem haver consigo, no intuito para mim claríssimo de um lucro sorrateiro qualquer. Mas pronto.
Vim por ali abaixo, ultrapassei os obstáculos que surgiram, e o pior era o tipo de letra utilizado, para não falar da horripilante mancha gráfica, até que
me deparei com a palavra "Aviso". E aí, estanquei mesmo definitivamente, com todas as minhas forças possíveis e impossíveis, quase, fiz um momento de viragem átirar para uma maior concentração no assunto e pus-me a ler o dito aviso para poder continuar a escrever este artigo de momento, sem qualquer futuro à vista desarmada, pois a vida de um cidadão neste país é um eterno desarmamento de tudo o que é Vida mesmo:
alento nas almas, alegria nos trabalhos, esperanças várias no futuro, convicções partilhadas uns com os outros à-volta dos dias comunicantes que vão passando por estes lados, muito longe desses outros dias que corremcorrem, desalmadamente, sei lá pra onde, mas já tenho a certeza que tal "onde", não é nada que Realmente preste.
A coisa começou a complicar-se, tudo aquilo na minha cabeça eram artigoss a maiss, maiss os "dispostoss" "decretoss-lei" e as "deliberaçõess" com datass & tudo, maiss os "capítuloss" & os "subcapítuloss",,, Ei, minha nossa Sr.ª de Kualquer Coisa, comecei a ficar farto, farto, enfardado de todo, pois considero-me uma pessoa minimamente culta, minimamente inteligente, minimamente capaz de ler e entender um mero artigo de uma Revista de Informação Camarária, mas efectivamente não entendia patavina daquilo.
Adiante.Trocado por miúdos, e muito bem espremido o fruto podre,tratava-se do quê?
De um aviso para avisar o Povo destas bandas de que foram avisados de que há um prazo de 30 dias "úteis" ( ainda estou para descortinar o que é isso de dias "inúteis"..ou já percebi bem demais), para, para se realizar uma "discussão pública" acerca de mais uma alteração ao não-sei-quê, que logicamente tem o seu quê de mudança relevante para alguns e o pessoal até tem de ser informado pela lei em vigor e essas lérias ditas democráticas, deles.
Agora a questão aqui komplicou-se ainda mais, porque na parte final diziam ao povo que 1º tinham de ir a uma determinada morada (que, Vá Lá ! estava ali escarrapachada inteirinha para quem a quisesse ), para consultarem o tal assunto fundeado no enigmático número 7, e depois quem quisesse Até Podia, enviar reclamação ou sugestão, nas "horas normais de expediente". Só estas palavras do final da frazze, atiraram-me adruptamente para profundíssimos momentos de reflecção acerca deste lado da questão: o que são horas "normais" para eles? Onde param as horas anormais, que eu nunca as vislumbrei na minha vida tão obrigatóriamente normalóide? E qual será o expediente lá do sítio? E no expediente de lá, há lá alguém ou será a habitual es-pe-ra-es-pe-ra engole pra dentro passivamente desatinante de sempre?Mas
o que mais me deixou desanimado de todo, confrangedoramente deprimido mesmo, comigo próprio e com o mundo e até com a Humanidade , foi o facto de perceber - creio bem - que numa declaração tipo preto no branco acerca de uma DISCUSSÃO PÚBLICA, o pessoal era Afinal convidado, nestes modos enviosadamente anacrónicos e absurdamente obscuros, a ENVIAR CARTAS, se quisesse (verdade seja dita, não vi neste textozinho nenhuma insinuação velada ou não, acerca de uma possível punição ao adoptar-se esta ou aquela atitude pessoal - Apesar de tal modo de criar Medos andar muito na moda).
E. Pronto. Continuo a não entender 1 caralho acerca do modo de pensar e agir dos Senhores que nos governam ? democraticamente eleitos & tudo e para ver
se alguém me poderá ajudar neste momento bem-mal difícil da minha vida, vou surripiar uma garrafa de vinho da parte mais nobre da minha modesta garrafeirazinha, e vou ter com a minha simpática vizinha.
e vou tocar à campainha, muitíssimo ao de leve, só um toquezinho de quem está ali, triste como a noite e também muito só, apenas
com uma prenda entre as duas mãos e um sorriso naturalmente levíssimo
(quase a penas luz que espera para sair)
no meu rosto, Ainda de makakóide escravizado.

À Moda do Mini-Conto

Era uma vez uma estória.
Eram duas vezes as mesmas duas estórias.
Eram três vezes já tantas estórias
que me esqueci .

(22-08-2008?)

O "grogue do patrão"

(Cópia de pedaço de pano de mesa, onde poisava o copo de "grogue do patrão".
Cabo Verde. Vagabundeando algures. agosto de 2008?)

Tropeçando na minha luz/ Eu Ká Voo Caminhando

Acordo cantando nesta morada a minha canção:
tropeçando na minha luz
eu cá voo caminhando
e canto alto já na varanda sem ninguém incomodar
e só ? com as minhas árvores & plantas & flores
para saudar este novo dia que deus me dá.
E, + uma vez, o canto me chama
lágrimas aos olhos
e os olhos ficam cheios dágua
onde o sal, tem tarefa de alegria
por eu ser feliz e
felizmente mais eu, assim.


Já na varanda, outra vez com o meu irmão mar
ali atrás dos finíssimos e verticais coqueiros
onde vejo o meu (?) corpo magro igual
até na própria dignidade de Ser humano livre
para cima bem pró Alto
no meu claro e evidente ser como nasci.
E o marulho atravessa as folhas
penteadas de ar fresco
visita de passagem outras folhas outras árvores
minhas amigas e chega até aqui
a saudar-me num Bom-Dia !
que eu aceito de todo o coração e retribuo
cantando a mesma canção
que já é outra quase igual:
Tropeçando na minha Luz
eu cá, vou
eu cá, vou
eu cá, voo
eu ká, vooooooo

Kácá
kámi
Kami nhando

Caminhando


(...)


-Cabo Verde, Cidade Velha, Casa do Sr. Embaixador de São Tomé e Príncipe, Bem-Hajas Almeida !
-07-08-2008 -


À MULHER AFRICANA ( To African Womem)

- Pintura de j.a.m.-2008 -

(Técnica: lápis de cor, saliva do próprio artista, folhas de árvores vivas várias, flores diferentes da montanha calada, alguma capacidade de observação, atenção & respeito e eteceteras similares)

quinta-feira, agosto 21, 2008

Mulher de Cabo Verde


(Desenho:j.a.m./Algures na Ilha de Santiago , bem longe da "Praia"-Agosto.2008)

(sirvam-se)

Olá!

Se aqui chegaste, já Cá estás.

Como nada é por acaso na vida, pelo sentido naturalmente Natural (e evidente, para quem o vê) das próprias leis imutáveis da VIDA, então amigo, amiga, desconhecido ou não
colhe por aqui alguns dos (teus) frutos
se te acontecer encontrá-los
Sacia a tua Sede, ampara-me
a dor de estar tão só
pois, eu sentir-te-ei eu saber-te-ei
tenhas tu o nome, a cor, o credo que tiveres
e um raio que os parta a todos os makakóides
ke nos perdem nessas merdas.

Depois, segue a tua vida
e se encontraste por aki 1 pouco de ouro mesmo
guarda-o bem aceso dentro de ti
Partilhando-o até ao fim
com quem achares ke sim.


(c/ amor)

LAURIE ANDERSON (GRAVITY'S ANGEL)

no coments

O Flautador

(j.a.m.-Anos 70? 80? Por aí)
CHAQUE JOUR IL MONTE A UN TERRACE

Da Série: As 7 Portas (3ª)

- A Porta das Europas.

Da Série: O MAKAKÓIDE (1º)

- O KE É KE VOCÊS ANDAM PRÁ-I A FAZER,
SEMPRE ÀS VOLTAS
DOS
DINHEIRO & TRABALHO?
*Xegou a Hora!

Tanzania - Bongo Flava - Saida Karoli (Ndombolo Ya Solo)

"Ó homem lembre-se de sua dignidade!"

(j.a.m.-Agosto.2008)

C.V.-2008

Demoro.A Chegar a Casa.

A noite redonda pela L.C., cai a luz caindo.
E então hoje perdi-me + no caminho para casa e já estava na montanha sentado no descanso indeciso das cabras a olharem para mim e assim fiquei divagado pela luz que circunda a lua quando, sem saber o porquê, um jovem macaco pousou no meu ombro esquerdo e assim ficou vidrado pelas visões que eu colhia.
Demorei-me. A chegar a casa na montanha fui até lá com o cajado dos sons do mar lá ao fundo conduziram-me sem eu dar por isso. Entrei pela janela, porque nada de chaves por esta noite graças a deus, acendi a outra luz e estanquei na porta do sono, escutando os galos & as galinhas e uma mosca xata-xata que teimou em zunir perto de mim.
(Cabo Verde.Agosto.2008)

Leonard Cohen ( Isle of Wight 1970)

palavras?

R:Quando o fruto é verde o caroço é veneno.

quarta-feira, agosto 20, 2008

Algures, não sei se volto a voltar

Algures no Brasil cheguei a estar no Paraíso. E regressei. Agora encontrei outro Paraíso. Não sei se volto a voltar.
Começo por um dos lados: o mar ao fundo e os sons compassados das ondas chegam claraMente até mim. Depois há coqueiros, esguios, altaneiros nas suas tranquilas balanças de sonhos dados com a aragem muito ao de leve que fala. E há mangueiras, com os seus frutos à espera de quem lá chegue. Palmeiras com as suas folhas dobradas em devoção ás portas que iniciam a noite. Balançam-se também ao som do mar, da lua que começa a ser maior no céu indefinito da noite do meu olhar.
Estou nu e sentado,com os pés apoiados na varanda azul e tomara eu estar assim tão nu por dentro.
Agora vou colher uma cana de açucar aqui do meu quintal, e no fim não sei se me irei esquecer por outros lados, palitando os dentes com as cascas que sobram sempre de tudo o que é mesmo vida.
Olhando ,escutando, aprendendo a ser mais.
Pois, para alguns isto é literatura, mas para mim é Vida.
O pássaro que me visita, merece toda a minha atenção. E ele já está ali, na sua árvore de eleição, misturado com as flores vivas cor-de-laranjas-acesas, amarelos garridos, vermelhos pelo meio da folhagem verde escura porque efectivamente já é noite e tudo está demasiado claro para mim.
(Algures em Cabo Verde-Agosto-2008)

Ou:Lá por haver cegos não quer dizer que não exista a luz


TudoBem?

Menina óbviamente Feliz. (Cidade da Praia.Cabo Verde-2008)